Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

4 ESQUINAS

BLOG ONDE SE PODE E DEVE FALAR DE TUDO (SOBRETUDO O INTERESSANTE)



Segunda-feira, 10.08.09

ISTO NÃO SE FAZ AO ZÉ….

Estava eu,ainda, a espreguiçar-me depois de abruptamente ter sido acordado pela azáfama e barulho dos transeuntes a caminho da feira quinzenal e eis que aqui da minha esquina apercebo-me de um burburinho e uma agitação fora do normal lá para o lado norte do jardim municipal.

Estiquei-me, coloquei-me mesmo em bicos de pés, espreitei, mas não conseguia ver nada do que se estava a passar.

Perguntei às minhas irmãs esquinas se porventura avistavam algo, mas também elas não conseguiam ver o que se estava a passar. Uma delas ainda me disse “eu vejo uns vultos mas mais do que isso não consigo porque de um lado está a cabine telefónica, do outro o quiosque e á minha frente tenho uma série de carros mal estacionados”.

Bem, fiquei apreensivo e á espera que alguma alma caridosa me viesse dar notícias.

No meio de toda esta espera e angústia, estiquei-me mais um bocadinho e nesse preciso momento levo com a luz de um flash nos olhos que me ia deixando ás escuras. No entanto, no meio das quase trevas de repente fez-se luz e pensei: Deve ser a inauguração da MOSTRA CASTRO DAIRE, pois embora sabendo que tal só acontecerá na próxima 4ª feira, pensei que a tivessem antecipado para hoje por ser dia de feira. E não teria sido mal pensado, senão anotem: dia de feira sinónimo de muita gente, muita gente têm muitas mãos, muitas mãos batem muitas palmas, logo, a ideia seria genial. Mas por isso mesmo é que eu pensei logo, não pode ser, não é hoje a inauguração.

E pronto, lá continuei naquela arreliadora dor de não saber o que se estava a passar no meu amigo e vizinho jardim.

Esperei mais um pouco e eis que começam a aparecer as primeiras novidades. “Estão a desmontar a “barraca do jardim” e os proprietários muito zangados a tirar fotografias. Comentavam alguns em surdina.Foi aí que compreendi de onde veio o flash que quase me cegara e a que se devia toda aquela agitação.

Comecei então a comentar com as minhas irmãs esquinas. A conversa foi mais ao menos esta:

Finalmente alguém com coragem política para “meter” as coisas na ordem, dizia eu.

Não, dizia uma das minhas irmãs aquilo foi devido á pressão que já se começava a fazer sentir por parte dos cafés da redondeza.

Qual quê, dizia a outra, desmontaram a “barraca” devido á Mostra Castro Daire.

Vocês não sabem o que dizem, retorquiu a 4º esquina, tiraram a “barraca”, depois da denúncia do nosso blog.

Resumindo digo eu que falo com procuração passadas pelas esquinas todas não interessa o motivo interessa é o acto em si! E esse foi de longe o mais correcto e adequado!

Quero ainda realçar o facto de ter visto a “barraca” a seguir viagem amontoada em cima de um camião, chorando e dizendo baixinho “porque será que me aconteceu isto só a mim cadé as outras”!

Eu cá continuo na minha esquina atento ao que se passa nesta nobre “Princesa da Serra” e fazendo um pedido a todos os meus leitores. Vão á minha página de perfil e consultem a minha frase favorita.

 

Zé da Esquina

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Zé da Esquina às 23:51


18 comentários

De maria a 14.08.2009 às 16:59

Boa tarde,

Tal como o último comentário diz, acho essencial saber o que se passou neste caso.

Para mim, o espaço que estava no Jardim Municipal era muito bom, trouxe vida ao Jardim, com actividades diárias para as crianças, espectáculos, concertos e animação que estávamos mesmo a precisar (a noite de fado foi excelente).

Não conheço ninguém de nenhum dos lados, mas pelo que percebi até agora vê-se mesmo o que aconteceu.

A CM, dentro do amadorismo que trabalha, emite uma Licença na qual permite a utilização de espaço público até final de Setembro (como não sabem o que fazem, não faz concurso público, não faz nada, emite a licença e ponto final... Ilegalidade número 1)

Algumas (poucas) pessoas (os do costume) não gostam da ideia e começam a minar a CM, apresentando queixas e ameaças, que, em ano de eleições, têm um valor muito grande...

As pessoas da CM não aguentam a pressão e decidem mandar fechar o espaço, esquecendo-se que existe uma Licença que foi (provavelmente mal) passada por eles;

Fazem-no pelos vistos sem garantir as condições mínimas às pessoas que lá trabalhavam e que foram enxuvalhadas publicamente quando a CM decide fazer o espectáculo horroroso que se viu no passado dia 10 no coração da nossa vila;

O que a CM parece esquecer é que não se emenda um erro / ilegalidade com outro, pois se errou ao emitir a licença, ao expulsar as pessoas quando estas apresentam uma licença válida, emitida por quem os expulsa de forma arbitrária é uma aberração típica de países não civilizados e sem normas legais de qualquer espécie (ilegalidade 2 - limpar um erro praticando outro)

Como dizia no início, esta é a ideia que tenho do que se passou neste caso concreto.

A CM, gerida por pessoal não qualificado para o fazer emite uma licença sem saber o que faz, é apertada pelas pessoas de poder em CD e decide mandar tudo abaixo, indo contra um documento que ela própria passou, sem fazer ideia das consequências possíveis ou das suas irregularidades.

Independentemente de ter sido ou não boa ideia ter uma esplanada no Jardim e do que qualquer um pode achar sobre isso, para mim o que fica é a falta de competência da CM, que parece ser gerida em cima do joelho, por algumas pessoas que só lá estão para a vaidade e que nos pode no futuro trazer muitos problemas pois de direito e funcionamento camarário nada percebem.

De *Ana* a 22.08.2009 às 03:33

Muito bem dito!



De castrofar a 14.08.2009 às 10:32

Tenho vontade de dizer que concordo com os vários pontos de vista apresentados nos vários comentários. Inédito!
Mas já algum comentarista tentou saber das razões que permitiram a colocação e levaram à retirada da barraca?
Eu, ver, também vejo, e sinto, não sei é tudo.

De Anónimo a 13.08.2009 às 09:42

Sr. Valores por acaso já reparou, que o maior erro foi o da câmara?
Porque não fez tudo na legalidade e abriu concurso, dando oportunidade a todos os interessados?
Acha bem, deixar abrir e depois fechar?
Que havemos de pensar desta autarquia?
Isto é gente que nos merece confiança?
Temos que nos pôr no papel dos donos da "barraca" que acabaram por ser as vitimas da irresponsabilidade e ilegalidade da Sr. Presidente de Câmara.
Já é tempo da câmara ter alguma sensatez.

De Valores a 12.08.2009 às 23:40

Caro Nuno disseste que :"Alguém esteve a trabalhar em prol da Vila e dos miúdos castrenses,
em vez de ser em prol de si próprio", então pergunto, porque é que a barraca vendia bebidas
e comidas? Para quem ficava o dinheiro arrecadado??!
Em segundo lugar, de inovador não tem nada, já não é a primeira vez que metem lá uma barraca a vender
bebidas(no ano passado até foi os bombeiros que estiveram lá, penso eu)! E meter pessoal RASTA
a tocar uns tambores não é nada de mais.
Terceiro, por acaso a barraca que estava no jardim municipal tinha contador de água e tinha
contador de luz? Quem fornecia esses bens essenciais e eram pagos por quem?
Não sei se sabes mas uma tasca ou cafézito com portas abertas paga impostos de tudo e mais alguma coisa e quais eram
os impostos que essa barraca tinha? Uma quantia simbólica que pagaram à câmara municipal?!!
Penso que isso não é inveja, mas sim concorrência desleal em que a lei do mercado desta vez funcionou.

De Nuno a 11.08.2009 às 12:00

A verdade doi a muita gente.
Os castrenses e as esquinas castrenses, ficaram chateados com as ideias novas. Têm um jardim há anos e nada fizeram para o animar, agora que alguém o fez, ficaram com inveja...
Dizem que o país está em crise! Sim, mas é uma crise de há muitos anos: crise de ideias, crise de espírito, crise de identidade, por isso publicam blogs anónimos...
Mas devemos reconhecer que também somos ricos; em inveja, preconceitos e mediocridade.
Alguém esteve a trabalhar em prol da Vila e dos miúdos castrenses, em vez de ser em prol de si próprio, e isso é que causou inveja, o altruísmo causa muita inveja.
Até o executivo cedeu às pressões, então não é o executivo que precisamos. NÃO QUERO um executivo que se deixa intimidar por algumas mentes tacanhas, e até sou da mesma côr política.
Dizem no blog que a atitude é que conta, que foi a correcta. Eu digo que NÃO. Deixem as ideias florescer, deixem surgir iniciativas, se não Portugal, e o interior particularmente, vão "morrer".
Esta foi mais uma das atitudes dos comerciantes portugueses, tipificada no conceite de que em vez de abrirem ao Domingo, querem que as grandes superficies fechem...
Caras 4 esquinas, o executivo tomou atitude certa quando apoiou o projecto, não agora ao retirar o espaço lúdico e cultural que entretinha as crianças e lhes dava novas prespectivas sobre o mundo.
O erro do executivo foi revogar, sem uma justificação aceitável, uma licença que tinha concedido até Setembro e, como vocês dizem, devido a pressões.
Mais uma vez, temos uma atitude política não em prol do Concelho, mas em prol de quem quer ganhar as eleições que se avizinham.
Bem haja a quem apoiou a ideia e dela usufruiu, pois esses, perceberam a importância de num Concelho interiror surgirem ideias e projectos inovadores. Facto que algumas pessoas e entidades, como a câmara e a associação comercial, não percebem.
Não se esqueçam de "MATAR" todos os novos projectos, e depois de se ficarem a queixar que o COMERCIO TRADICIONAL ESTÁ A "MORRER", e com ele o centro urbano de Castro Daire.
Vamos ver se as 4 esquinas tem coragem de publicar este comentário...
Nuno

Comentar post


Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031


Calendário


Posts mais comentados


Farmácias de Serviço