Quarta-feira, 2 de Abril de 2014

ANARQUIA

Ninguém se entende no Município de Castro Daire.

Aqui por cima, ou seja na secretaria, as tesoureiras andam aborrecidas e até já chegaram a estar de baixa médica. Por aquilo que se houve falar, tal situação ocorreu devido ao aumento de volume de trabalho proveniente dos recebimentos das contas da água, saneamento e resíduos sólidos.

Os leitores cobradores andam descontentes, pois deixaram de ser cobradores, ficando apenas leitores, e à conta disso um desconto no ordenado mensal de 100 €. Consideram-se prejudicados com aumento de serviço, pois o que era feito por quatro passou a ser feito por três e, segundo dizem, o Município, com o novo sistema de cobrança perde 8.000 € por mês.

Em contrapartida, nas secções de contabilidade e gabinete de acção social, os funcionários não param de aumentar. Critérios que ninguém entende.

No centro municipal de cultura o descontentamento é geral. Os estagiários são “aos molhos”. A responsável pelo serviço perdeu margem de manobra perante os subordinados, chegando – se ao desplante de lhe tirarem, sem qualquer explicação lógica, o telemóvel de serviço que lhe estava distribuído.

Os balneários termais, previstos para abrir em Janeiro, continuam encerrados e as funcionárias, já seleccionadas em concurso, continuam em casa. Segundo se consta não abrem em virtude de análises negativas às suas águas. A ser verdade, será que mais uma vez, à semelhança de anos anteriores, o responsável vai passar impune? Ou a culpa, será novamente, imputada á canalização?

Os concursos para admissão de pessoal são abertos, e publicados em diário da república, à segunda-feira e anulados à terça-feira. Nos meandros políticos já se compara a Câmara de Castro Daire a uma fechadura, pois tanto abre como fecha (concursos).

Perante tudo isto o presidente assobia para o lado e diz nada ser com ele, mas sim com os técnicos.

Mas, se na secretaria as coisas andam más, segundo se consta no estaleiro andam bem piores.

Contam os trabalhadores que ninguém se entende. Qualquer dia são mais os chefias que os chefiados.

Mais uma vez o presidente vira a cara e diz nada ser da sua responsabilidade.

Segundo confidência de alguns, existem filhos e enteados. Uns têm obrigatoriamente que marcar a digitalização do ponto quatro vezes ao dia. Outros fazem-no apenas duas e outros, ainda, não o fazem. Será que têm a cobertura de alguém?

Verdade seja dita, daqui das minhas esquinas vejo alguns deles passarem antes do horário de saída a caminho do restaurante ou de casa.

Outra controvérsia prende-se com o facto de alguns terem como benesse levar a viatura camarária para casa, ao almoço e ao final da tarde e outros terem que se deslocar por conta própria. Princípios de igualdade própria de quem não quer assumir responsabilidade.

Também se fala em roubos de combustível e recebimentos de horas extraordinárias que na realidade não são feitas, assim como em luta de “galos” entre as chefias, pouco faltando para chegarem a vias de facto.

Para aumentar o clima de desconfiança e suspeição saiu em diário da república o concurso para três assistentes operacionais. Uma vaga afecta ao serviço de manutenção e tratamento de águas e duas vagas para manobrador/condutor de máquinas. A juntar a isto o facto de o júri ser composto por um subalterno dando assim a sensação de ser uma despromoção do encarregado geral e por consequência uma subida de alguém que é citado como o principal foco de instabilidade.

Em relação às vagas agora abertas apenas uma pergunta: Qual a necessidade de abrir duas vagas para condutor/manobrador de máquinas quando se sabe que o Município possui seis máquinas e tens nos seus quadros de pessoal oito condutores/manobradores? Mais favorecimentos? Ou estes concursos também sofrerão o efeito fechadura?

O Município castrense realizou no passado dia 31 de Março um workshop intitulado “boas maneiras”. Mais uma vez, o executivo primou pela falta de ideias e esqueceu-se de mandar alguns dos seus funcionários assistir.

Como tudo seria diferente se os eleitos não necessitassem dos eleitores para ocupar os cargos que ocupam. Ou talvez não!  Pois alguns erros são cometidos por conveniência mas outros sê-lo-ão por incompetência.

Eu, por cá continuarei, na minha esquina predilecta, com a forte convicção que de onde sai fumo há fogo, embora quem de direito não os queira apagar. Será para não se chamuscar, ou por não ter relação privilegiada com os bombeiros locais, apesar das fortunas que por lá, ultimamente, se têm gasto na realização de obras?

 

Zé da Esquina

 

publicado por Zé da Esquina às 09:43
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Fevereiro de 2014

SERÃO MAIS DUAS PRENDAS COM DESTINATÁTIO CERTO?

Aviso n.º 2112/2014. D.R. n.º 29, Série II de 2014-02-11

 

Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 09:56
link do post | comentar | ver comentários (25) | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Janeiro de 2014

RECEITA TIPICA DE CASTRO DAIRE

COMO COZINHAR UM GAP (Gamela de Apoio a Parentes)

 

INGREDIENTES:

 

·        Duas Instituições

·        Um Presidente

·        Uma Esposa (necessário trabalhar numa das Instituições)

·        Um Sobrinho

·        Um Genro

·        Uma Abdicante

·        Um Informático

·        Uma Filha

·        ½ Dúzia de subsídios

·        Alguns votantes (de preferência incultos)

·        Muito dinheiro (de preferência proveniente de impostos)

 

MODO DE PREPARAÇÂO: (necessário um tacho bem grande)


1. Num tacho, não necessariamente lavado, coloca-se a instituição da mulher e de seguida amanham-se os ingredientes

2. Previamente prepara-se um caldinho, tipo molho, feito de promessas e mentiras

3. Junta-se a ½ dúzia de subsídios

4. Adiciona-se os votantes incultos e dissolve-se tudo até o caldinho engrossar (se não engrossar á primeira pode-se adicionar mais subsídios ou familiares dos mais votantes incultos)

5. Sem perder o tacho de vista, deixa-se apurar todo o preparado e após isso, o cozinheiro senta-se numa cadeira (pode ser a do poder)

6. Unta-se o tacho com a abdicante, esfregando bem até ficar lustroso

7. No dia seguinte, já com alguns ingredientes no tacho, tira-se a tampa e adiciona-se-lhe um sobrinho (ingrediente não imprescindível, mas usado por familiaridade para com o cozinheiro)

8. Manter o tacho em lume brando (nunca deixar ferver) e adicionar-lhe um genro (ingrediente obrigatório por ser de sabor único)

9. Aumenta-se um pouco a chama e deixa-se cozinhar durante 3 anos

10. Entretanto nesse espaço de tempo coloca-se outro tacho ao lume (pode ser mais pequeno) e coloca-se dentro um informático a cozinhar em banho-maria

11. Após 3 anos tira-se a tampa ao tacho, escorre-se o molho incomodo e aproveita-se para substituir o genro, pois após ter contaminado a filha, que por esta altura ainda não estava adicionada ao tacho, foi o mesmo contaminado pela mulher, ficando intragável

12. Entrementes deixa-se ferver um pouquinho e adiciona-se um informático

13. Depois de cozinhado o informático dá-se a provar em pequenas dozes, não vão eles querer comer tudo, aos amigos do lado

14. Torna-se a colocar a tampa e deixa-se a marinar, de preferência escondido de todos, por algum tempo

15. Depois de marinar retira-se a tampa ao tacho muito devagarinho e introduz-se no mesmo uma filha (obrigatoriamente tem que se escolher uma desempregada e não acolhida noutros lados)

16. Volta-se a colocar a tampa no tacho para que este não levante fervura

 

NOTA FINAL:

Sirva em grandes dozes familiares (nunca dar a provar a estranhos) rapando o tacho até ao fundo.

A sobremesa fica á imaginação de cada um, pois o dinheiro para pagar o banquete não é problema para o cozinheiro.

Eu por cá continuo, nas minhas veneráveis esquinas, sabendo muito mais o que esconde a tampa deste tacho, mas, por enquanto, não o destapando na totalidade.

 

Zé da Esquina

 

publicado por Zé da Esquina às 20:14
link do post | comentar | ver comentários (34) | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2013

SERÃO PRENDAS OU PROMESSAS?

Na última reunião do executivo camarário foi aprovado por maioria, com os votos favoráveis do P.S. e os votos contra dos 3 Vereadores do P.S.D., a contratação de 40 funcionários para a autarquia Castrense.

Os 40 funcionários a contratar, serão 1 chefe de unidade, 8 técnicos superiores, 9 assistentes técnicos, 1 encarregado operacional e 21 assistentes operacionais.

Como se pode ver pela postagem anterior, a câmara de Castro Daire está atulhada de colaboradores, com 312 funcionários ao seu serviço.

Por isso pergunta-se: mais pessoal para quê?

O grande problema é que as referidas contratações serão pagas, no final de cada mês, com o dinheiro do erário público, ou seja com o nosso dinheiro.

É verdade que estamos em época natalícia e como tal, propicia a oferecer prendas. No entanto, obriga o bom senso e a decência que as mesmas sejam oferecidas e pagas por quem as oferece, pois fazer festas com o dinheiro dos outros não custa nada.

Fico-me por aqui, pois não consigo, por muito que tente, encontrar adjectivos adequados para classificar tamanha atordoada cometida pelos governantes Castrenses.

Tenho compaixão daqueles que não votaram no referido partido, mas que têm sofrido e irão continuar a sofrer tanto como aqueles que se deixaram enganar com promessas infundadas.

Por cá continuarei a teclar, até que me sangrem os dedos e cada vez mais com a forte convicção que com este executivo P.S. estamos a caminhar para o abismo.

 

 

Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 22:13
link do post | comentar | ver comentários (23) | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Novembro de 2013

AINDA SÃO PRECISOS MAIS?

 

CONCELHO

Nº DE FUNCIONÁRIOS

HABITANTES

ENTRADA DE FUNCIONÁRIOS

SAÌDA DE FUNCIONÁRIOS

ARMAMAR

162

5853

 

49

CARREGAL DO SAL

101

9830

 

20

CASTRO DAIRE

312

15382

60

 

CINFÃES

252

20428

 

69

LAMEGO

225

26707

 

48

MANGUALDE

261

19879

 

61

MOIMENTA DA BEIRA

126

10219

 

25

MORTAGUA

149

9864

 

29

NELAS

210

14002

 

123

OLIVEIRA DE FRADES

163

10245

 

31

PENALVA CASTELO

100

8001

 

20

PENEDONO

85

3053

 

4

RESENDE

257

11371

 

27

SANTA COMBA DÃO

157

11661

 

28

SÃO JOÃO PESQUEIRA

58

7932

 

22

SÃO PEDRO DO SUL

394

16935

 

51

SÁTÃO

182

12423

 

5

SERNANCELHE

76

5699

 

27

TABUAÇO

104

6360

 

66

TAROUCA

231

8050

 

32

TONDELA

277

28953

 

58

VILA NOVA DE PAIVA

128

5174

 

4

VISEU

774

99593

 

204

VOUZELA

142

10552

 

37

 

Como se pode observar pelo quadro publicado pelo “Jornal de Negócios”, o Município de Castro Daire, entre o início de 2010 e o final do 3º trimestre de 2013, foi o único Concelho do distrito de Viseu a aumentar o número de funcionários.

Vamos a factos:

1º - Apesar de, por imposição do governo, ser obrigado a reduzir o número de funcionários em 2%/ano, o Município aumentou o seu quadro de pessoal com a entrada de 60 pessoas.

2º - Mesmo sendo o 7º Concelho em número de habitantes, é o 3º Concelho com maior número de funcionários, só suplantado por Viseu que possui quase 100.000 habitantes, e pelo Concelho de São Pedro do Sul, que possui cerca de 1.500 habitantes a mais que o Concelho de Castro Daire.

3º - A Câmara de Castro Daire possui, ao seu serviço, mais funcionários que as cidades de Lamego, Tarouca, Mangualde, Santa Comba Dão e Tondela.

4º - Os Concelhos de Lamego, Mangualde, Moimenta da Beira, Sernancelhe, Tabuaço e Tondela, apesar de serem Concelhos com mais freguesias que Castro Daire, possuem ao seu serviços muito menos funcionários.

5º - Por exemplo Sernancelhe, possui mais uma freguesia que Castro Daire (17) e tem “só” menos 236 funcionários que a autarquia Castrense.

É verdade! Por aqui se prova, que nos anos de governação Socialista, o executivo Castrense tem contratado funcionários em demasia e sem qualquer controlo, mesmo contrariando as directivas do governo central.

Pensem o que quiserem e façam os comentários que entenderem. Certo é que a política de contratação eleitoralista funciona no nosso Concelho e com gastos desmesurados para os nossos bolsos. Os números não enganam nem mentem, são apenas uma triste realidade.

Eu por cá continuo, governando-me com o subsídio que recebo todos os meses do RSI, mas, com a cada vez mais certeza, que "pelo andar da carruagem", mais tarde ou mais cedo também arranjo emprego na Câmara.


Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 23:59
link do post | comentar | ver comentários (42) | favorito
|
Segunda-feira, 11 de Novembro de 2013

NÃO HAVIA NECESSIDADE...

Na última reunião do executivo camarário, foi aprovado, como aliás já se esperava, a contratação de mais 16 funcionários para a autarquia, concretamente 8 assistentes operacionais, 6 assistentes técnicos e 2 técnicos superiores.

A oposição fez o que a situação em análise e o bom senso exigia que se fizesse. Ou seja, votou contra.

Votou contra, porque o presidente da câmara não explicou o motivo pelo qual necessitava de tais trabalhadores.

Votou contra porque o presidente da câmara não conseguiu explicar qual o serviço que os futuros funcionários poderão vir a desempenhar.

Votou contra, porque o bom senso e a defesa dos dinheiros públicos assim o exigem. Digo eu. E penso sinceramente ter razão no que afirmo.

Só governantes desprovidos de qualquer interesse pelo Concelho e apenas preocupados em cumprir as promessas feitas durante a campanha eleitoral, mesmo que o dinheiro saia do bolso de todos os contribuintes, poderão ter a desfaçatez de numa altura de grande crise, como a que Portugal atravessa, contratarem mais funcionários, num Município a abarrotar de colaboradores, e ainda com o agravante de aumentarem os gastos com o pessoal em cerca de 15.000 € mês.

Será que o Município necessita de mais trabalhadores? Claro que não! Mas isso digo eu que não andei a fazer promessas durante a campanha eleitoral.

Talvez, com medidas e atitudes como estas, se compreenda melhor o porquê do Município de Castro Daire ocupar a 245ª posição, entre 311 Municípios, no ranking da transparência municipal.

Para que possam tirar as vossas conclusões quanto á necessidade, ou não, da contratação de mais efectivos, deixo-vos com o mapa de pessoal da Câmara Municipal no inicio do ano de 2013:

51 - Técnicos superiores

22 - Assistentes técnicos

5 - Coordenadores técnicos

205 - Assistentes operacionais

2 - Guardas-nocturnos

1 - Encarregado geral operacional

1 - Encarregado operacional

5 - Fiscais Municipais

1 - Especialista informático

1 - Técnico de informática

Estamos a contabilizar cerca de 300 funcionários em que 1/6 deles são técnicos superiores auferindo cada um em média 1.400 € mês mais suplementos.

Mais funcionários para quê?Já chega de desperdícios e de nos “ir ao bolso”!

Mas ainda que supostamente necessitasse, e só mesmo no campo da suposição, não seria mais económico assinar contratos com o IEFP ao abrigo dos programas existentes, não necessitando, dessa forma, de pagar os salários?

O Concelho de Castro Daire está cada vez mais á beira do abismo e com estas medidas e atitudes eleitoralistas e populistas pouco faltará para cair de vez no precipito.

Eu cá continuarei atento e cada vez mais convencido que neste torrão de Portugal se confunde maioria absoluta com absolutismo.

Espero que as cerca de 4.000 pessoas que votaram noutros partidos que não no partido socialista não se calem e façam, cada vez mais, ouvir a sua voz, pois com persistência a mesma chegará aos ouvidos moucos de certas pessoas que mantêm um comportamento de rei mas que mais tarde ou mais cedo cairão do deu pedestal e ficarão reduzidas á sua própria insignificância.


Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 14:38
link do post | comentar | ver comentários (26) | favorito
|
Sexta-feira, 25 de Outubro de 2013

A VIAGEM...

 

O avião já descolou…o Presidente á Suíça rumou.

O alarido foi geral. Foi gastar o nosso dinheiro.

Mentira. Não foi gastar nada. Aliás foi gastar mas o gasto trará muito e muito retorno. Senão vejamos.

O Presidente foi á Suíça fazer, além de tudo aquilo que as pessoas comentam, contactos com vista ao desenvolvimento turístico do Concelho.

Em quatro anos de governação Fernando Carneiro desenvolveu o turismo como nenhum outro executivo até agora o tinha feito.

Por via disso está na hora de começar a colher os frutos dessa boa sementeira.

Para os mais críticos, tenho a informar, que segundo informações fidedignas, conseguiu que pelo menos três grandes empresários da hotelaria Suíça venham num futuro muito próximo a investir em Castro Daire, concretamente na construção de hotéis 5 estrelas.

Segundo a minha fonte de informação, um dos hotéis será construído algures entre as localidades de Faifa e Mós. Talvez assim se calem de uma vez por todas as maldizentes bocas que apregoam a sete ventos a inutilidade daquela estrada.

Visão futurista do nosso Presidente. Ou vão dizer que não?

O segundo hotel, tudo indica, que será construído na zona do Prado de Cima, mesmo encostadinho á Avenida Maria Alcina.

Aliás a requalificação e o consequente alargamento, da referida avenida, para quatro faixas, já foi planeado com o intento de duas dessas faixas virem a servir para parque de estacionamento do futuro hotel.

Comenta-se que a futura unidade hoteleira servirá, também, para a concentração da selecção portuguesa a qual além do hotel utilizará o campo de futebol de Lamelas no qual, em 2014, será colocada relva sintética. A colocação do relvado sintético faz parte do compromisso assumido pelo actual Presidente perante um dos elementos eleitos numa das listas Socialista. Aliás essa promessa foi a contrapartida encontrada para que tal pessoa aceitasse pertencer às listas rosa.

Mais uma brilhante ideia do nosso Presidente. Acusem agora o homem de despesismo, seus críticos.

O terceiro empreendimento turístico vai ser feito com hotel de 5 estrelas e anexos de campo de ténis, campo de golfe e outras áreas de lazer na zona da Ponte Pedrinha, pois alguns empresários Suíços que visitaram Castro Daire ficaram encantados com o cheiro daquele local. Afirmaram os mesmos, ser local único em todo o mundo, pois em nenhum outro sítio encontraram um recanto com cheiro igual. Comparando isto com o clima, poder-se-á considerar um micro - clima único em todo o universo.

Digam lá, agora, os detractores e críticos do Presidente se foi ou não uma viagem de grande utilidade que o homem fez a terras helvéticas. O homem está muito á frente no tempo. Com a sua inteligência e perspicácia, se fosse presidente de um qualquer deserto em pouco tempo o seu Município iria á falência por falta de areia.

Bem, deixando de lado as coisas sérias e falando de coisas a brincar, parece que ontem na reunião do executivo camarário a situação ferveu.

Segundo me contaram, finalmente temos oposição em Castro Daire.

Nunca se viu uma reunião durar até às 2 da tarde e muito menos a mesma se prolongar, ainda que com outros elementos não executivos, até bem perto das 18 horas.

Andará o actual executivo a ser finalmente “apertado” e responsabilizado pelo que tem feito?

Estará finalmente a ser alvo de alguém com poder de controlo e capacidade de não se deixar enganar, por falta de conhecimentos sobre várias matérias, como a oposição anterior?

Sobre esta reunião, e uma vez que a mesma foi aberta ao publico, muita coisa haveria para dizer, mas algo, e não interessa o quê, me impede de o contar. Talvez numa próxima postagem já o possa fazer.

Seja como for vamos esperar para ver, tendo porém a certeza que apesar de poucos dias após as eleições, o Presidente e seu executivo, estão cada vez mais a perder o seu estado de graça.

Estão a perder o estado de graça com os trabalhadores com contrato CEI com a Câmara, que ao irem para casa e contrariando a informação que possuíam antes da eleições, ficam magoados e sentem-se enganados.

Estão a perder o estado de graça porque os trabalhadores não estão satisfeitos com o horário de trabalho imposto pelo executivo, sem ouvir quem de direito.

Estão a perder o estado de graça, porque neste momento está-lhes a acabar os argumentos fúteis e desprovidos de qualquer realidade usados, e pelos vistos com utilidade, durante a campanha eleitoral.

Está-lhes a acabar o estado de graça porque inúmeras pessoas estão a cobrar a promessas feitas em campanha eleitoral e, neste momento, na Câmara já não cabe mais ninguém, sejam contractos a CEI, estágios ou qualquer outra forma de contrato angariador de voto.

Está-lhes a acabar o estado de graça porque, no fundo, a mentira tem perna curta e como tal não é definitivamente duradoira.

Poderão os mais “cegos” aqueles que só vêm o que querem, perguntar o porque das minhas insatisfações, pois o actual executivo até foi eleito por larga maioria de votos.

É verdade. No entanto, para esses, deixem que lhes digam que quase nunca a quantidade é sinónimo de qualidade. Se assim fosse o lixo, uma vez que existe muito, tinha um valor incalculável.

Fiquem bem que eu, nas minhas ricas esquinas, estou melhor que nunca.

 

Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (29) | favorito
|
Segunda-feira, 7 de Outubro de 2013

TOMADA DE POSSE

 

Realizou-se no passado sábado a tomada de posse da Vereação que irá gerir os destinos da autarquia Castrense nos próximos quatro anos.

Durante a cerimónia, existiram situações que me ficaram no ouvido e nos olhos. Concretamente:

Ficou-me no ouvido o “brilhante” discurso do recém-eleito presidente. Adorei, principalmente, quando o mesmo afirmou que a campanha eleitoral decorreu com seriedade, civismo e muito respeito. Nisso não podemos estar mais de acordo, principalmente se as referidas afirmações tivessem sido dirigidas para o CDS e CDU. Agora quando as mesmas são dirigidas para o seu partido só posso concluir que as referências foram a brincar ou que o mesmo se enganou, o que já vem sendo hábito em tal personagem.

Para confirmar a desfaçatez destas declarações, bastou observar a forma como a “rainha das campanhas” se passeava, com ar triunfal, pela sala. Quem não a conhecer pensará que a mesma foi a grande vencedora das eleições. Foi com certeza a pessoa que mais contribuiu para que as afirmações do Presidente, no que concerne a seriedade, civismo e respeito, não fizessem qualquer sentido.

Ficaram-me nos olhos as ausências dos Vereadores nºs 1 e 3 dos Sociais-democratas. Será que não apareceram por outros afazeres profissionais, tal como justificaram, ou por não quererem dar o prazer aos eleitos Socialista de estarem presentes?

Seja como for tomarão posse na primeira reunião do executivo, se não aparecerem, até lá, novidades de última hora, como as acontecidas com os Vereadores do P.S. em 2009.

Ficou-me também nos olhos, a falta de respeito e até humildade, na hora da derrota, de alguns elementos do PSD que abandonaram a sala na altura do discurso do recém-eleito presidente.

Eu sei, porque no passado sábado o sofri na pele, que os mesmos continuam enfadonhos, insípidos e desprovidos de qualquer substrato. No entanto, protocolo é protocolo e diz o bom senso que o mesmo deve ser cumprido.

Nos meus ouvidos ecoa, ainda, a conversa entre funcionários da autarquia no tocante ao novo horário de trabalho. Diziam eles que o mesmo foi implementado pelo “todo-poderoso” Presidente, sem auscultar ninguém, numa clara atitude de “quero posso e mando”.

Eu por cá continuarei dizendo apenas, e por agora, que isto é só o começo. Sabe Deus o que virá a seguir. Mas coisa boa não o é certamente!


Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 23:17
link do post | comentar | ver comentários (18) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Outubro de 2013

ESCOLHERAM...AGUENTEM-SE!

 

Em Outubro de 2009, ao analisar as eleições autárquicas de então escrevi o seguinte:

O PS ganhou porque os seus candidatos tiveram mais votos que os seus opositores e isso em democracia chega.

Como sempre fui,  sou e continuarei a ser coerente terei no final das votações autárquicas de 2013 escrever o mesmo.

No entanto, se em 2009 a única razão que encontrei para que o PS tivesse ganho foi a decisão democrática do eleitorado Castrense, nas eleições de 2013 essa mesma razão existe, mas existem também outras.  e não menos importantes,  razões.

A começar pela cada vez mais reinante sufocação democrática existente no Concelho.

São por demais evidentes, as promessas de trabalho, as promessas de subsídios, as promessas de reformas antecipadas, as promessas de RSI, entre outras.

Promessas que infelizmente vão convencendo os eleitores de que a concretização das mesmas depende de determinadas pessoas ou que essas pessoas podem usar os organismos a que pertencem para as concretizarem.

A crise instalada no país, e da qual são grandes responsáveis os governantes do PSD,CDS e PS, origina a que pessoas com famílias para sustentar se deixem eludir por promessas de trabalho, ainda que o mesmo seja concretizado através do programa CEI e Estágios.

Nisso, os nossos governantes locais souberam aproveitar ao máximo e tirar daí benefícios consideráveis em termos eleitorais.

Convém salientar, que contrariamente ao que foi prometido a muitos desses beneficiários, estes programas são apenas temporários e como tal não dão qualquer vínculo contratual com a entidade para a qual prestam serviço.

Vejamos então de que trata tal programa:

 “Desempregados inscritos nos centros de emprego ou centros de emprego e formação profissional, numa das seguintes situações:

  • Beneficiários de subsídio de desemprego ou de subsídio social de desemprego
  • Beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI)
  • Desempregados não subsidiados nem beneficiários do RSI, inscritos há pelo menos 4 meses consecutivos

Entre os destinatários desta medida, são considerados prioritários:

  • Desempregados de longa duração
  • Desempregados com idade igual ou superior a 55 anos de idade
  • Pessoas com deficiências e incapacidades
  • Os projectos têm a duração mínima de 3 meses e máxima de 12 meses, não prorrogáveis”. 

 

Provavelmente, muitos dos eleitores nestas condições, não teriam votado “na necessidade” e sim na “consciência” se quem de direito e obrigação os tivesse informado convenientemente e não mediante a sua conveniência ou necessidade de voto.

Sabemos que a autarquia local usou e abusou desse programa para colocar pessoas ao seu serviço e daí retirar as contrapartidas, visíveis, em termos eleitorais.

Outro factor, e também, importante contributo para a vitória do PS, foi, sem dúvida, o caos instalados entre os militantes e simpatizantes do PSD.

Começou com a escolha, ou auto-escolha, do candidato a presidente.

Tal facto nunca foi muito bem aceite pelos “barões” do PSD. Talvez por isso nunca se viu durante a campanha o empenhamento indispensável e necessário de tais figuras. Preocuparam-se muito mais, e porque todos eles faziam parte da lista concorrente á Assembleia Municipal, em vencer a sua “guerra” do que ajudar o partido a ganhar a “batalha” eleitoral.

Não quero de modo algum desvalorizar a vitória alcançada pelo PS local na noite eleitoral.

Não o quero fazer porque o povo votou, elegeu e o povo é soberano. No entanto, convém salientar que pelo facto de ser soberano não significa que seja “inteligente”. No caso concreto considero que além de soberano é, e foi masoquista.

Foi e é masoquista, porque durante a pré campanha e campanha eleitoral, foi notório, junto das minhas esquinas, a opinião negativa sobre os actuais e futuros vereadores camarários.

Pelas conversas escutadas, os mesmos não fizeram obra necessária, mas sim a conveniente para angariar votos.

Segundo os mesmos, os governantes não sabiam falar, não tinham perfil para gerir a Câmara, não tinha credibilidade perante as instâncias superiores, não tinha preocupações em fazer o básico, como saneamentos, etars, estradas ou as reparações necessárias nas mesmas.

Afirmava ainda, uma grande maioria, que tinham sido enganados mas não votariam neles pois não queriam ter mais quatro anos de atraso e marasmo. Diziam que, os actuais vencedores, não tinham ou lhes faltava tanta coisa importante para poderem ser os governantes ideais para o Concelho.

Diziam que não votariam, nunca, em governantes despesistas.

Diziam não gostar da forma folclórica como eram organizadas festas, festinhas romarias e passeios de idosos, sem qualquer controlo de gastos.

Diziam não gostar das “peixeiradas” como a acontecida na feira das colheitas entre o presidente e um funcionário da autarquia.

Diziam tanta e tanta coisa negativa de quem governa o Concelho.

No entanto, pelos resultados alcançados, para o Câmara, mais 691 votos que os alcançados há quatro anos atrás, parece que tudo isso é mentira.

Será que é? Claro que não! Então o povo eleitor é masoquista, ou gosta de se autoflagelar.

Não entendo este povo. Eu, que tantas e tantas vezes o elogiei pela sua sabedoria, inteligência e perspicácia, tenho que hoje afirmar sentir-me desiludido e com cada vez menos forças, nos dedos, para lutar por eles e em conjunto fazermos de Castro Daire o Concelho que todos nós merecemos.

Continuando com a leitura eleitoral, terei que felicitar a CDU.

Esta força partidária, para a Câmara conseguiu um aumento de 50 votos, a juntar aos mais 54 conseguidos para a Assembleia Municipal.

Não é um aumento significativo, mas é o suficiente, na minha opinião, para cada vez mais contarmos com a CDU para defender os interesses do Concelho e estar sempre ao lado dos Castrenses, insatisfeitos, na defesa da verdade e acima de tudo para apoiar aqueles que queiram inverter a asfixia democrática existente e cada vez mais emergente no Concelho.

O PSD, foi sem qualquer dúvida o grande derrotado da noite.

Perdeu, em relação a 2009, 696 votos para a Câmara Municipal, perdeu 523 votos para a Assembleia Municipal e, para terminar a noite negra, deixa de gerir a Freguesia de Castro Daire.

Perdeu em todas as frentes. Perderam os cabeças de lista para os três importantes órgãos, mas perdeu essencialmente a sua identidade partidária.

Durante a campanha, desde cedo, foi evidente a derrota do PSD, no tocante á Câmara Municipal. No entanto, tal facto nunca foi previsível para a Assembleia Municipal.

Era voz corrente que a lista concorrente á Assembleia Municipal iria, com alguma vantagem, vencer a eleição para o referido órgão e seguidamente os seus componentes tomariam conta do partido, vangloriando-se da sua vitória, mas essencialmente da derrota do candidato á autarquia.

Era um pensamento lógico e de todo legítimo. Ou seja. Luís Alberto Aveleira e a sua equipa sairiam derrotados para a Câmara e de seguida os “notáveis da Assembleia Municipal iriam “cobrar-lhe” a derrota e chamar a si as rédeas do Partido.

Tal facto não aconteceu! Por isso será legítimo perguntar quem será a pessoa capacitada para reorganizar o Partido Social Democrata ou dizer, não perdi nada, não enterrei o partido na derrota eleitoral e como tal tenho toda a legitimidade democrática para me tornar líder e o tentar erguer.

Na minha opinião a resposta é óbvia. Só um nome e uma figura tem, após a noite catastrófica, legitimidade para tal. Chama-se Eulália Teixeira.

Eu que a achei não ser a pessoa indicada para há quatro anos atrás dirigir os destinos de Castro Daire, acho-a, hoje,  e por isso me penitencio pelo erro cometido, a única pessoa capaz de trazer para a ribalta o Partido laranja.

Todos os outros militantes, concretamente Paulo Almeida, António Luís, Vítor Figueiredo, António Giroto, entre outros, provou-se não serem uns vencedores nem agregadores de ideias e como tal sem o necessário perfil para lider.

Se Eulália Teixeira não “pegar” no PSD, ou alguém com as suas capacidades, que neste momento não vislumbro no PSD local, os Sociais-democratas vão com toda a certeza fazer por muitos anos a "travessia no deserto" e Fernando Carneiro governará os próximos oito anos e outro Socialista, o finalmente eleito Vereador governará nos anos seguintes.

Por último falar do CDS e da sua prestação eleitoral.

Perdeu quase metade do eleitorado da Câmara Municipal, perdeu 246 votos para a Assembleia Municipal e perdeu o seu representante na Assembleia de Freguesia de castro Daire.

Perdeu! Isso é óbvio visível e não se pode escamotear.

No entanto não perdeu grande coisa. Na minha opinião passou apenas de um partido com pouca expressão a nível Concelhio para um partido com pouquíssima expressão.

Merecia ter alcançado mais votos? Merecia-o garantidamente!

Merecia-o acima de tudo pela excelente campanha que realizou, com seriedade, inovação e competência.

Merecia-o pelas soluções que apresentava ao Concelho com vista ao seu desenvolvimento.

Merecia-o pelo respeito que teve durante a campanha para com os eleitores, ao oferecer ideias e soluções em vez das canetas, aventais, bonés e outras benesses.

Merecia-o porque cada vez mais está provado que PSD e PS, os partidos que nos têm governado, nada nos trazem de novo.

Merecia-o, acima de tudo, pela renovação feita pelo seu líder em termos de militantes, simpatizantes e credibilidade imprimida ao partido.

É verdade, merecia! Mas o povo é masoquista! Ou seja foram durante quatro anos penalizados pela inercia dos governantes, mas gostam de o ser. Por isso votou na continuidade.

Este povo, não merece candidatos credíveis, trabalhadores e dedicados á causa pública. Isso ficou provado nas eleições!

Daqui por quatro anos haverá mais. Espero que, para bem do Concelho, melhor.

Eu cá continuarei nas minhas esquinas acreditando, cada vez menos naquilo que os transeuntes me dizem, pois dizem uma coisa e fazem precisamente o oposto, mas sempre atento até onde a vista alcança e pronto a escrever as cada vez mais incongruências deste Concelho.

Continuo, também, na esperança que o artigo 13º da constituição da Republica Portuguesa seja cumprido:

 

 

Artigo 13.º

(Princípio da igualdade)

  1. "Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei".
  2. "Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual".

 

Termino com a já célebre frase: Venham pra junto ao pé das minhas esquinas. Frase adaptada da original e proferida, no rescaldo da noite eleitoral, pelo eleito Presidente da Câmara “Venham pra junto ao pé da sede”.


Zé da Esquina

 

publicado por Zé da Esquina às 00:47
link do post | comentar | ver comentários (37) | favorito
|
Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013

AUTARQUICAS 2013 (RESULTADOS)

FREGUESIAS

CAMARA MUNICIPAL

ASSEMBLEIA MUNICIPAL

 

ASSEMBLEIA FREGUESIA

PS

CDS

PSD

CDU

PS

CDS

PSD

CDU

PS

CDS

PSD

CDU

ALMOFALA

99

12

50

1

98

13

48

2

87

15

57

 

CABRIL

22

6

67

10

209

9

74

11

207

 

101

 

CASTRO DAIRE

1402

146

845

70

1204

182

970

80

1164

189

1019

75

CUJÓ

105

14

127

3

104

22

118

2

126

 

120

 

GOSENDE

168

16

83

3

142

23

95

3

116

 

154

 

MÕES

703

50

394

13

671

74

399

17

710

123

341

 

MOLEDO

430

17

355

4

384

25

384

5

293

 

508

 

MONTEIRAS

193

23

179

1

67

29

190

5

 

71

219

 

PEPIM

131

3

91

7

119

2

109

6

108

 

133

 

PINHEIRO

221

15

207

6

221

11

210

6

265

 

178

 

SÃO JOANINHO

117

5

125

2

107

2

138

0

105

 

138

 

MA/ALVA/RIBOLHOS

546

26

310

2

525

35

306

10

606

27

256

 

MEZIO/MOURAMORTA

172

24

131

5

137

34

149

6

 

 

273

 

PARADA/ESTER

363

5

228

1

331

5

251

4

303

 

288

 

PICÃO/ERMIDA

186

20

159

3

161

25

172

3

151

14

200

 

RERIZ/GAFANHÃO

380

10

157

20

370

17

140

37

394

 

123

39

TOTAIS

5338

392

3508

151

4850

508

3753

197

4635

439

4108

114

 

Zé da Esquina

publicado por Zé da Esquina às 13:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
relojes web gratis
contador de visitas
online

.Calendário

.Posts Editados

. ANARQUIA

. SERÃO MAIS DUAS PRENDAS C...

. RECEITA TIPICA DE CASTRO ...

. SERÃO PRENDAS OU PROMESSA...

. AINDA SÃO PRECISOS MAIS?

. NÃO HAVIA NECESSIDADE...

. A VIAGEM...

. TOMADA DE POSSE

. ESCOLHERAM...AGUENTEM-SE!

. AUTARQUICAS 2013 (RESULTA...

.Arquivo

blogs SAPO

.subscrever feeds

.links

.mais sobre mim